Jeremias na casa do oleiro

1Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do Senhor:

2"Vá à casa do oleiro, e ali você ouvirá a minha mensagem".

3Então fui à casa do oleiro, e o vi trabalhando com a roda.

4Mas o vaso de barro que ele estava formando estragou-se em suas mãos; e ele o refez, moldan­do outro vaso de acordo com a sua vontade.

5Então o Senhor dirigiu-me a palavra:

6"Ó comunidade de Israel, será que eu não posso agir com vocês como fez o oleiro?", pergunta o Senhor. "Como barro nas mãos do oleiro, assim são vocês nas minhas mãos, ó comunidade de Israel.

7Se em algum momento eu decretar que uma nação ou um reino seja arrancado, despeda­çado e arruinado,

8e se essa nação que eu adverti converter-se da sua perversidade, então eu me arrependerei e não trarei sobre ela a desgraça que eu tinha planejado.

9E, se noutra ocasião eu decretar que uma nação ou um reino seja edifica­do e plantado,

10e se ele fizer o que eu reprovo e não me obedecer, então me arrependerei do bem que eu pretendia fazer em favor dele.

11"Agora, portanto, diga ao povo de Judá e aos habitantes de Jerusalém: Assim diz o Senhor: Estou preparando uma desgraça e fazendo um plano contra vocês. Por isso, converta-se cada um de seu mau procedimento e corrija a sua conduta e as suas ações.

12Mas eles responderão: 'Não adianta. Continuaremos com os nossos próprios planos; cada um de nós seguirá a rebeldia do seu coração mau'. "

13Portanto, assim diz o Senhor:
"Perguntem entre as nações se alguém
já ouviu uma coisa dessas;
coisa tremendamente horrível fez a virgem, Israel!

14Poderá desaparecer a neve do Líbano
de suas encostas rochosas?
Poderão parar de fluir suas águas frias,
vindas de lugares distantes?

15Contudo, o meu povo
esqueceu-se de mim:
queimam incenso a ídolos inúteis,
que os fazem tropeçar em seus caminhos
e nas antigas veredas,
para que andem em desvios,
em estradas não aterradas.

16A terra deles ficará deserta
e será tema de permanente zombaria.
Todos os que por ela passarem
ficarão chocados
e balançarão a cabeça.

17Como o vento leste,
eu os dispersarei diante dos inimigos;
eu lhes mostrarei as costas e não o rosto,
no dia da sua derrota".

18Então disseram: "Venham! Façamos planos contra Jeremias, pois não cessará o ensino da lei pelo sacerdote nem o conselho do sábio nem a mensagem do profeta. Venham! Façamos acusações contra ele e não ouçamos nada do que ele disser".

19Atende-me, ó Senhor;
ouve o que os meus acusadores
estão dizendo!

20Acaso se paga o bem com o mal?
Mas eles cavaram uma cova para mim.
Lembra-te de que eu compareci
diante de ti
para interceder em favor deles,
para que desviasses deles a tua ira.

21Por isso entrega os filhos deles à fome
e ao poder da espada.
Que as suas mulheres
fiquem viúvas e sem filhos;
que os seus homens sejam mortos,
e os seus rapazes sejam
mortos à espada na batalha.

22Seja ouvido o grito
que vem de suas casas,
quando repentinamente
trouxeres invasores contra eles;
pois cavaram uma cova
para me capturarem
e esconderam armadilhas
para os meus pés.

23Mas tu conheces, ó Senhor,
todas as suas conspirações
para me matarem.
Não perdoes os seus crimes
nem apagues de diante da tua vista
os seus pecados.
Sejam eles derrubados diante de ti;
age contra eles na hora da tua ira!

1  2  3  4  5  6  7

8  9  10  11  12  13 

14  15  16  17  18 

19  20  21  22  23  24 

25  26  27  28  29  30  

31  32  33  34  35  36  

37  38  39  40  41  42 

43  44  45  46  47  48 

49  50  51  52