Uma canção de louvor

1Naquele dia, este cântico será entoado em Judá:
Temos uma cidade forte;
Deus estabelece a salvação
como muros e trincheiras.

2Abram as portas para que entre
a nação justa,
a nação que se mantém fiel.

3Tu, Senhor, guardarás em perfeita paz
aquele cujo propósito está firme,
porque em ti confia.

4Confiem para sempre no Senhor,
pois o Senhor, somente o Senhor,
é a Rocha eterna.

5Ele humilha os que habitam nas alturas,
rebaixa e arrasa a cidade altiva
e a lança ao pó.

6Pés as pisoteiam,
os pés dos necessitados,
os passos dos pobres.

7A vereda do justo é plana;
tu, que és reto,
tornas suave o caminho do justo.

8Andando pelo caminho
das tuas ordenanças
esperamos em ti, Senhor.
O teu nome e a tua lembrança
são o desejo do nosso coração.

9A minha alma suspira por ti
durante a noite;
e logo cedo o meu espírito por ti anseia,
pois, quando se veem na terra
as tuas ordenanças,
os habitantes do mundo aprendem justiça.

10Ainda que se tenha compaixão do ímpio,
ele não aprenderá a justiça;
na terra da retidão ele age perversamente
e não vê a majestade do Senhor.

11Erguida está a tua mão, Senhor,
mas eles não a veem!
Que vejam o teu zelo
para com o teu povo
e se envergonhem;
que o fogo reservado
para os teus adversários os consuma.

12Senhor, tu estabeleces a paz para nós;
tudo o que alcançamos,
fizeste-o para nós.

13Ó Senhor,ó nosso Deus,
outros senhores além de ti
nos têm dominado,
mas só ao teu nome honramos.

14Agora eles estão mortos, não viverão;
são sombras, não ressuscitarão.
Tu os castigaste e os levaste à ruína;
apagaste por completo a lembrança deles!

15Fizeste crescer a nação, Senhor;
sim, fizeste crescer a nação.
De glória te revestiste;
alargaste todas as fronteiras
da nossa terra.

16Senhor, no meio da aflição
te buscaram;
quando os disciplinaste
sussurraram uma oração.

17Como a mulher grávida
prestes a dar à luz
se contorce e grita de dor,
assim estamos nós na tua presença,
ó Senhor.

18Nós engravidamos
e nos contorcemos de dor,
mas demos à luz o vento.
Não trouxemos salvação à terra;
não demos à luz os habitantes do mundo.

19Mas os teus mortos viverão;
seus corpos ressuscitarão.
Vocês, que voltaram ao pó,
acordem e cantem de alegria.
O teu orvalho é orvalho de luz;
a terra dará à luz os seus mortos.

20Vá, meu povo, entre em seus quartos
e tranque as portas;
esconda-se por um momento
até que tenha passado a ira dele.

21Vejam! O Senhor está saindo
da sua habitação
para castigar os moradores da terra
por suas iniquidades.
A terra mostrará o sangue
derramado sobre ela;
não mais encobrirá os seus mortos.

1  2  3  4  5  6  

7  8  9  10  11  12 

13  14  15  16  17  

18  19  20  21  22  

23  24  25  26  27 

28  29  30  31  32  

33  34  35  36  37 

38  39  40  41  42 

43  44  45  46  47 

48  49  50  51  52  

53  54  55  56  57 

58  59  60  61  62 

63  64  65  66